Artigo

 
Principais barreiras para empreender no Brasil e dicas de como superá-las

Quatro em cada dez empresas não conseguem arcar com o pagamento em dia dos tributos cobrados

Não é nenhuma novidade que no Brasil é preciso escalar barreiras para empreender e só quem já se arriscou na empreitada sabe o que isso significa.

Segundo o levantamento realizado pelo Global Entrepreneurship Monitor (GEM) desde 2016 é crescente o número de empresários no Brasil que foram movidos a esse interesse por conta do desemprego.

O consultor empresarial, Adriano Nodari, ressalta que não enxergar o empreendedorismo como uma oportunidade, mas sim como uma urgência constrói negócios com pouco rendimento e baixa competitividade.

“A responsabilidade desse comportamento inclui muitas questões que o país ainda precisa enfrentar, como burocracias para abertura e fechamento de empresas, tributos altos, e outros entraves”, explica.

Fizemos uma seleção das 6 principais dificuldades que o brasileiro enfrenta em 2018 se quiser abrir o negócio próprio. Confira.

1. Burocracia para abrir e fechar o negócio

Segundo o Banco Mundial o Brasil está entre os piores países do mundo para abrir um negócio e a principal razão está na aterrorizante burocracia. A complicação se inicia antes mesmo da existência da empresa e pode permanecer em seu fechamento.

Somente para abrir o negócio o brasileiro percorre por um prazo de mais ou menos 80 dias se compararmos com a Nova Zelândia, por exemplo, que possui o prazo de 24 horas assusta ainda mais.

Outro ponto em destaque são os pagamentos tributários. O ICMS é cobrado de acordo com o estado e tem sofrido alterações constantes nos últimos anos, o que dificulta ainda mais a permanência de empresas no país. “Infelizmente todas essas barreiras aumentam o número de empresas irregulares.”, completa o consultor.

2. Alta taxa tributária

Ao abrir uma empresa no Brasil por conta das inúmeras taxas cobradas o empresário cai na dúvida, será que o negócio é realmente meu? Os tributos são atualizados com frequência e meio às cobranças a guerra fiscal que acontece entre os estados e municípios. Estar em dia com o pagamento de taxas e tributos no Brasil é um desafio para o empresário.

Para se ter uma ideia 4 em cada 10 empresas possuem pendências no pagamento de tributos. “Compreender o pagamento de todas as taxas é outro grande desafio para o empresário que acaba optando por contratar uma empresa contábil para ter tempo de gerir o negócio em outras demandas”, pontua o consultor.

3. Empreender por necessidade e não por oportunidade

O consultor empresarial ressalta sobre o comportamento do brasileiro meio a crise econômica e o desemprego dos últimos anos. Entre os anos de 2016 e 2017 foram mais de 12 milhões de desempregados, logo empreender foi uma saída de emergência frente ao caos.

Mas por que esse comportamento pode ser ruim quando pensamos em empreendedorismo? Nodari argumenta que ver a abertura de um negócio com foco na crise diminui as oportunidades de crescimento não só em relação aos lucros, como na competitividade.

“Empreender é uma oportunidade de crescimento. Na atividade gera-se emprego, mas é preciso ter metas e focar no crescimento contínuo. É uma solução para quem tem boas ideias e visão de negócio”, pontua.

4. Dificuldade de obter crédito para investimento

Sofre com essa barreira principalmente os microempreendedores. No último levantamento realizado pelo Sebrae 40% dos MEIs não começavam o negócio por dificuldade de obter crédito para dar inicio.

“Além da burocracia para conseguir créditos mais baratos em programas governamentais, os juros cobrados são excessivos, principalmente para o capital de giro”, acrescenta Nodari.

O preparo e conhecimento do brasileiro para gerir o próprio negócio é outra deficiência no país no que diz respeito a empreendedorismo. “É muito comum ao iniciar a abertura de uma empresa o foco na infraestrutura e o esquecimento ou falta de informação adequada sobre os custos operacionais”, explica o consultor.

De acordo com o especialista é fundamental elaborar um plano de negócio direcionando todos os gastos obrigatórios, o que deve ser prioridade ou não na hora de abrir uma empresa.

5. Falta de conhecimento do empresário sobre gestão de negócios

O que falta não é a criatividade e inteligência para o empreendedor brasileiro, mas sim o conhecimento técnico sobre a gestão financeira, planejamento e até mesmo a argumentação no momento de buscar um investidor.

“Preocupa-se com a ideia e em ansiosamente apresentá-la, mas o investidor foca no retorno que o negócio dará e para isso é fundamental o planejamento financeiro, estratégico e principalmente, o conhecimento avançado sobre o público alvo”, coloca.

6. Concorrer com os negócios informais

No Brasil são mais de 19 milhões de negócios informais segundo a pesquisa realizada pelo Sebrae. Algumas barreiras já mencionadas motivam os brasileiros ao formato, como falta de acesso ao crédito, altos tributos e o fantasma da burocracia.

Partir para o negócio informal foi uma alternativa diante da onda desemprego nos últimos anos, além de uma opção para quem não deseja mais depender do empregador e trabalhar de forma autônoma.

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) apontou que quatro em cada dez empresários optaram pelo negócio informal à carteira assinada.

O consultor empresarial enumera dicas de como enfrentar as dificuldades para empreender no Brasil:

1- Realize um planejamento criterioso financeiro e tributário;

2- Adquira conhecimentos técnicos no que diz respeito a gestão do negócio;

3- Treine os colaboradores;

4- Invista na informatização da gestão financeira;

5- Faça seleções criteriosas de fornecedores e fique atento sobre a possibilidade de novos;

6- Tenha o controle do fluxo de caixa para evitar a necessidade de empréstimos futuros;

7- Inove em todas as áreas, não só no produto.

 

 

 

 

 

 

 

 


Contato

FOLHA DA CIDADE

Folha da Cidade é um jornal eletrônico periódico online do Rio Grande do Norte
Equipe: Fernando Pereira-DRT RN 154 JP(Editor, jornalista e reporter fotografico), Elias Medeiros - DRT RN 1683 JP(Jornalista e Repórter fotográfico), Adrovando Claro-DRT RN 531 RF, José Aldenir - DRT RN 90 RF e Cláudio Marques DRT RN 50 RF(Repórteres fotográficos), Charge: Téo Duarte(DRT 1343/RN). Contato: Caixa Postal 2708 - Natal - RN - 59025-971 - Brasil.
Material enviado por colaboradores, assessorias de imprensas e coletado de órgãos de imprensa em geral. As matérias publicadas não traduzem necessariamente a posição jornalísticas da Folha da Cidade. O material pode ser reproduzido desde que respeitado integralmente as fontes.